Perfil Edições

Como construir um negócio quando não existem respostas prontas

Como construir um negócio quando não existem respostas prontas

Quem me conhece sabe o quanto gosto de ouvir histórias inspiradoras. Sou capaz de ficar quieta por horas, só ouvindo e imaginando um filme passando pela cabeça.

Falamos muito sobre conquistas, mas será que você tem ideia do que a pessoa passou para chegar lá? Espero que você não seja do tipo que sente uma pontinha de inveja ou diga que foi sorte.
Na rede social vi uma foto de um empresário bem sucedido, subindo no palco com um carrinho de sorvete, daqueles bem simples, de uma marca chamada Cremabom.

Atiçou minha curiosidade, afinal, pelo que eu sabia, ele é fundador e CEO de uma sofisticada revista nacional. Então, assim que tive a chance fui perguntar o significado daquele carrinho.
Agora, senta que lá vem história, aliás, uma história que daria um livro!

Ele ficou órfão quando era uma criança pequena, nem tinha chegado aos dez anos e precisou aprender a cuidar de si mesmo e das irmãs. De origem humilde, mas com um sorriso no rosto começou a vender sorvete pelas ruas da cidade e assim foi conhecendo pessoas e colecionando amigos.

Foi empalhador de cadeiras, açougueiro, coordenador de RH e ainda garantia um “extra” trabalhando como churrasqueiro aos finais de semana. Assim foi ampliando sua rede de networking. Decidiu que precisava estudar, foi fazer faculdade, formou-se, sofreu, batalhou e até hoje carrega no celular a foto do jovem dormindo num colchão no chão.

Um dia, uma pessoa perguntou se ele não queria comprar um empreendimento, uma revista da sua cidade natal, Tapejara interior do RS. Uma revista daquelas que fazem propaganda do comércio local e colocam algumas colunas. A resposta foi não, pois além de não ter dinheiro não o interessava.

Nem me pergunte como, mas ele teve uma visão que a partir daí poderia criar algo novo e decidiu empreender.

Criou uma das revistas mais conceituadas do Brasil “Revista Perfil”, que atualmente tem dez anos de existência e já estampou na capa celebridades, famosos autores de livros, empresários conhecidos em todo o mundo inclusive bilionários, sem falar dos colunistas que fazem parte do seu time.

Fico pensando como aquele menino teve coragem de falar com tanta gente importante e inacessível, como conseguiu que eles doassem seu tempo para uma entrevista e foto de capa?
A resposta está na capacidade de agregar pessoas, criar conexões, estabelecer confiança e credibilidade. Ele exerce o netweaving, aquele tipo de networking desinteressado, disposto a ajudar, numa relação de ganha-ganha.

Ele sabe pedir ajuda quando precisa, tem humildade para admitir quando não sabe, não faz cara blasé, se alegra com o sucesso alheio e torce para que todos possam crescer juntos.

Grandes histórias começam a partir de sonhos, de ideias que, a primeira vista, estão fadadas ao fracasso, de projetos que só você acredita. 

Ah, se as pessoas soubessem como é possível transformar a força de um NÃO, de uma porta fechada na cara, do sorriso irônico dizendo que é impossível, que você não vai conseguir...

A incredulidade do mundo pode ser seu combustível para a vitória, pense em quantas vezes te aconselharam a desistir, mas você continuou em frente.

Fácil não é, mas vale muito a pena tentar, cair, levantar, se estatelar de cara no chão e mesmo assim encontrar uma forma de recomeçar e se reinventar.

Já ouviu falar em kintsugi? É a arte japonesa de reparar uma cerâmica quebrada com laca ou pó de ouro, é uma filosofia de vida sobre juntar os cacos, se recuperar e superar as cicatrizes. É entender que depois de quebrada você pode se transformar numa obra de arte, uma peça única, diferente e mais bonita do que era anteriormente quando estava inteira e sem marcas.

Definitivamente, a vida não é um mar de rosas, está mais para um oceano com tsunamis e tufões repentinos que surgem quando o céu parece calmo e o dia tranquilo.

Enfrentar é a única opção, sem possibilidade de fazer cara de paisagem ou de ficar parada enquanto o céu desaba sobre a sua cabeça. Então, vamos aprender com cada queda, com cada perda, com cada desilusão e se tornar resiliente, aliás, mais do que isso, ao invés de voltar ao estado original, vamos voltar melhores, mais fortes, com mais sabedoria, coragem e fé.
 


"Dificuldades preparam pessoas comuns para destinos extraordinários." C. S. Lewis

Date

06 Outubro 2021

Tags

Colunistas, Lilian Schiavo

Revista Perfil:

Mais Conceituada do Brasil 


Baixe o nosso aplicativo

 

Entrar em contato

| Revista Perfil - Editorial

| Tapejara/RS

| Praia Brava - Itajaí/SC

| Jardim Paulista - São Paulo/SP

 

Contato:  Revista Perfil     contato@perfilrevista.com.br