Blog

A nova era da saúde: Foco em você

Em algum momento da sua vida já disseram para você que para ser saudável é preciso se alimentar bem, fazer uma atividade física, consultar o seu médico periodicamente e que ter saúde é ter um corpo livre de doenças. 

Desta forma, nós crescemos acreditando que o fato de nosso corpo não manifestar nenhum sintoma significa que está tudo bem conosco. Sendo assim, não é preciso fazer nada para mudar a realidade, afinal de contas, mesmo que estejamos sentindo, nós não estamos vendo.

Acontece que nós somos seres humanos, somos instintivos e também muito intuitivos. Somos seres emocionais e através das emoções realizamos mais de 90% das nossas escolhas diárias, determinadas pelo inconsciente. No entanto, nós não fomos ensinados a olhar para nossas emoções, mas sim para evitá-las.

Então, elas se acumulam e se transformam em sintomas.

Nós fomos ensinados a olhar apenas para os sintomas, ou seja, para as consequências de tudo aquilo que negamos em nós mesmos por toda a vida com medo do desconhecido. E, assim, nos tornamos desconhecidos de nós mesmos.

Quando olhamos somente para fora, ou seja, para os sintomas, para o corpo e para a doença, apenas teremos mais do mesmo daquilo para o que estamos direcionando o nosso foco. E, então, isso determinará todo o nosso olhar sobre o que acreditamos que vai acontecer na nossa vida.

Vamos dar um exemplo: Quando temos gripe, dizemos “Eu estou gripado’’. Isso é bem diferente de dizer ‘’Eu sou gripado’’. Percebe? 

Por ser uma gripe, nós acreditamos que é algo que é mais fácil de lidar e cuidar, portanto, não criamos uma identificação de longo prazo com aquilo, pois sabemos que em algum momento vai passar.

Mas quando não passa, começamos a acreditar que não podemos sentir aquilo e começamos a lutar contra nós mesmos para não precisar ter que olhar para nosso interior. Claro, só temos olhos treinados para ver aquilo que está do lado externo.

É muito comum no nosso meio as pessoas afirmarem o tempo todo a sua condição, sendo que as mais graves são: eu sou ansioso; sou depressivo; sou bipolar; sou hipertenso; sou diabético; eu sou assim; sou desse jeito e não mudo, pois é algo mais forte do que eu e não consigo controlar, pois não depende de mim. E, então, nos tornamos aquela doença. 

É assim que a doença se torna algo muito maior do que você. Então, você perde a capacidade de mudar a sua vida, sendo assim precisa fazer uso de um remédio para voltar a ter controle da própria vida e voltar à normalidade.

Pois aqui cabe uma outra reflexão:  O que somos hoje é o fruto das nossas escolhas do passado. Se você se encontra doente, significa que lá atrás em algum momento você fez escolhas que culminaram com seu adoecimento. Então, você não precisa voltar à normalidade, pois foi justamente ela que te colocou nessa condição atual. É importante compreender que a sua doença quer mostrar aquilo que é preciso mudar dentro de você. Saia do seu padrão de normalidade e busque mudar suas escolhas. 

Mas porque você se mantém nessas escolhas prejudiciais?

Essas escolhas são excessivamente estimuladas quando dizem para você que a condição da sua doença é imutável, de difícil tratamento, sem solução e muito grave. Ou quando dizem que é preciso apenas manter o controle, que é assim mesmo e que aceitar é o melhor para você. E que é melhor combater os sintomas do que entrar em contato com a dor que realmente está te adoecendo. Assim, enchem você de analgésicos para curar sua dor emocional, sua dor física e não a dor que vem da alma. 

Será que isso explica o motivo das pessoas estarem cada vez mais doentes?

Quando a sua luta é contra os sintomas, ela automaticamente se torna contra você. Pois, os sintomas são justamente os sinais daquilo que você está causando em si mesmo. Se o seu foco for na doença você criará as condições perfeitas no seu corpo para replicar os sintomas e continuar tendo mais do mesmo.

O sistema de saúde não está interessado na sua saúde, está interessado na sua doença. Pois é ela que faz com que você permaneça dependente do sistema e alimentando a indústria da saúde. Isso é a consequência do foco no ser humano como parte apenas de um corpo físico, completamente separado dos seus pensamentos, emoções, sentimentos, alma e espírito. Algo tão distante que fica impossível detectar e tratar as causas, já que se encontram em um nível muito mais profundo do que os olhos podem ver.

Acontece que a maioria das pessoas não sabe disso e são levadas a  acreditar no mesmo de sempre e, assim, dizem que já tentaram de tudo, se conformam com a sua condição e vivem insatisfeitas com a vida, não sabendo mais para onde recorrer, pois o que apresentaram como solução não funcionou. 

Se as pessoas aprenderem a se curar, elas não vão adoecer ou vão adoecer muito menos e isso não é lucrativo.

Existe uma importância fantástica que a medicina moderna nos traz como uma grande referência no cuidado com nosso corpo físico.

Mas não somos apenas um corpo dotado de matéria. Somos seres integrais. Aquilo que acontece no seu corpo físico é algo que está diretamente vinculado às nossas emoções, aos nossos sentimentos e aos nossos pensamentos. Saber disso é de fundamental importância para a cura.  

Quando você muda o seu foco para a cura, você está dizendo que está aberto para novas possibilidades na sua vida e que quer ir em busca de um novo olhar que trabalha o ser humano respeitando a sua condição de ser multidimensional, algo que transcende o corpo físico e vai ajudar você a descobrir as causas do seu sofrimento, que está muito além da doença. 

Um foco integral no ser humano olha para todas as condições que permeiam um indivíduo. Um espírito que veio para ter experiências humanas e aprender com elas um significado maior para a sua evolução.

Quando você aprende a cuidar do seu mundo interior sua vida muda.

Olhar para dentro de si pode ser desconhecido, mas é justamente onde se encontra aquilo que você buscou externamente até hoje.

Cuide de você, do seu corpo, das suas emoções, dos seus pensamentos, daquilo que diz, das suas ações, pois assim você estará cuidando da sua alma. 

A cura está dentro de você. 

Seja livre para ser quem você veio para ser.

Seja saudável por inteiro. 



Ricardo Frota é médico pós-graduado em psiquiatria, especialista em comportamento humano. Graduado em Medicina pela Universidade Iguaçu (UNIG-RJ), é pós-graduado em Medicina da Dor pelo Hospital Albert Einstein, em Psiquiatria pela Santa Casa (SP) e pelo Instituto Superior de Medicina (ISMD-SP). 
Palestrante Comunicador digital e co-criador da startup "Instituto Médicos da Alma''

 

Revista Perfil: Destaque para

sua empresa


Baixe o nosso aplicativo

 

Entrar em contato

| Revista Perfil - Editorial - Matriz

| Rua Júlio de Castilhos, 410 - Sala 504 - Tapejara/RS

| 54 3344 2830

| 54 9 9157 3330


| Revista Perfil - Filial

| Rua Júlio Joaquim Fernandes, 155 - Sala 602 - Itajaí/SC